Vitória, beleza e tranquilidade (Parte I)

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

A cidade de Vitória tem uma característica muito interessante: ela nunca está abarrotada! Isso porque durante a alta temporada e feriados, boa parte de seus moradores viajam para outras cidades ao contrário do Rio de Janeiro ou Florianópolis. Por este motivo, é a cidade ideal para quem quer aproveitar a alta temporada sem o stress dos pólos turísticos.

A maior parte cidade de Vitória é um arquipélago formado por mais de trinta ilhas, sendo que a iha principal tem seis ilhas que a ligam ao continente, três pontes para a cidade de Vila Velha e outras três à sua porção continental. A mais imponente destas pontes é a Terceira Ponte, que liga Vitória à Vila Velha, tem 70 metros de altura e 260 metros de largura no vão central, o que permite o acesso de grandes embarcações à baia e ao porto de Vitória.

Terceira Ponte - Vitória/Vila Velha

O Espírito Santo possui diversos portos e dois dos principais estão no município de Vitória, o Porto de Tubarão, que é maior porto de exportação de minério de ferro do mundo (fonte: Wikipedia) e o Porto de Vitória, no qual além dos terminais de carga há ainda um terminal para cruzeiros. Protegendo a Baia de Vitória está o Forte de São João, edificação centenária que hoje é um dos pontos turísticos da cidade.

Forte de São João - VitóriaNavio atracada no Porto de VitóriaNavio chegando ao Porto de Vitória

O Palácio Anchieta é a sede do Governo do Espírito Santo e um exemplo a ser seguido no que tange a restauração e na separação entre Estado e Religião, já que durante uma de suas reformas foram retiradas as torres com sinos que representavam na arquitetura do prédio a religião católica. A restauração preservou diversos aspectos das diversas utilizações que o prédio teve desde seu início como colégio jesuíta, sendo possível observar as fundações de 1551 e o altar-mor onde também está exposta a lápide do túmulo do Padre José de Anchieta.

Detalhe pós-restauro do Palácio Anchieta - VitóriaPoço central do Palácio Anchieta - VitóriaLápide do túmulo de Padre José de Anchieta no Palácio Anchieta - Vitória

A Catedral de Vitória passou por um restauro recente, tem belos vitrais em seus interior e também uma capela com um visual muito aconchegante para os religiosos.

Catedral Metropolitana de VitóriaVitral da Catedral Metropolitana de VitóriaCapela-mor da Catedral Metropolitana de Vitória

Há muito a falar sobre a capital Capixaba, mas farei isso em outra oportunidade, pois preciso voltar e tirar mais fotos (já visitei Vitória e Vila Velha mais de cinco vezes, mas tenho poucas fotos).

Anúncios

Intercâmbio, aprender inglês fazendo amigos

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

A melhor maneira de aprender inglês é fazendo um intercâmbio. Já fiz dois e aconselho todos a viver essa experiência. Fazer um intercâmbio vai muito além do que praticar um idioma, quem embarca nessa aventura tem a oportunidade de conhecer outra cultura e o lugar como realmente ele é. Em uma viagem normal geralmente as pessoas não tem muitos dias, logo só conhecem os pontos turísticos da cidade e encontram pessoas de passagem. Morando fora você tem a chance de fazer muitos amigos estrangeiros já que a convivência é diária.

Cidade do Cabo

Para quem pensa em estudar no exterior, Cape Town é uma excelente opção, pois o custo de vida é baixo, a moeda deles, Rand, é desvalorizada e, com isso, tudo fica bem barato para nós brasileiros, além da cidade ser fantástica, com belas praias, montanhas deslumbrantes e uma vida noturna muito agitada. Estive lá por 3 semanas e estudei na LaL school. Fiquei apaixonada pelo lugar!

A escola que estudei tem uma boa infraestrutura, comparada com as outras escolas da cidade, ela é a que tem melhor infraestrutura. A escola possui sala de computador com internet, wi-fi em alguns pontos da escola, piscina, bar que funciona de segunda a segunda, mesa de sinuca e totó (pebolim para os paulistas) e alojamento para os estudantes, que é um grande conforto já que você acorda, toma café da manhã na própria escola e vai para a aula, sem precisar acordar mais cedo e gastar dinheiro com transporte como acontece nas outras escolas. O alojamento também facilita muito a integração entre os estudantes, pois todos ficam no mesmo ambiente o tempo todo. Nas outras escolas depois da aula cada um vai para seu lado, às vezes os alunos não estão hospedados uns perto dos outros e acaba sendo mais difícil a convivência.

A LaL é uma festa, como eu disse, a integração é fácil e rápida, sem dificuldade você faz amizade e em pouco tempo conhece todos da escola. Tem programação para noitada todos os dias, na parte da tarde os estudantes costumam ir à praia, fazer trilhas ou mesmo visitar os pontos turísticos da cidade que não são poucos. Na escola você encontra estudantes de toda parte do mundo, especialmente da Alemanha, Arábia Saudita, Angola e Suíça, mas também tive a oportunidade de conhecer algumas pessoas da Espanha, Itália, França, Equador etc. E como em qualquer lugar do mundo tem muitos brasileiros também, mas nada comparado com outros lugares como Europa, EUA e Canadá.

A metodologia do curso, porém, não é das melhores no meu ponto de vista. As aulas não têm uma sequência bem definida e as provas também não são muito rigorosas o que acaba fazendo com que pessoas de níveis diferentes fiquem na mesma turma. Para mudar de nível basta o próprio aluno pedir ao professor para fazer o teste ou o professor pode indicar o aluno a fazer a prova. A prova é apenas escrita. Para iniciantes não aconselho esta escola, porém para quem já tem um nível mais avançado de inglês e está mais interessado na fluência e também para aqueles que querem unir o aprendizado a diversão, acredito ser uma boa idéia.

Goiânia, uma esmeralda no cerrado brasileiro

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

A cidade de Goiânia está próxima de Brasília e é a capital estadual mais perto do centro geográfico do Brasil e outra das poucas cidades planejadas que temos, a cidade conta com diversos e belos parques, que deixam toda a cidade verde e preservam um “quê” de cidade pequena apesar de seus 1,3 milhão de habitantes.

Bandeiras em Goiânia

O transporte da cidade pareceu eficiente pelo que pude observar e pelo que foi comentado pela minha prima e cicerone durante minha estada na cidade. Há um serviço de SMS a partir do qual é possível saber quanto tempo falta para a chegada do ônibus, a partir do envio de mensagem com o número do ônibus e da parada.

Rastreamento de ônibus

O parque Flamboyant possui um paisagismo muito bem elaborado, com um belo pórtico no seu principal acesso e acesso wifi gratuito (algo que eu não tinha visto em nenhum parque em nenhum dos outros catorze estados brasileiros que conhecia até então).

Abelha no Parque FlamboyantPórtico do Parque FlamboyantPonte no Parque FlamboyantCogumelo no Parque FlamboyantWifi no Parque Flamboyant

Visitei também parque Vaca Brava, que fica no setor Bueno, e possui diversos bares e restaurantes em suas adjacências. Houve fato curioso: observar uma pescaria do Martim Pescador no lago do parque. Ele utilizava pedaços de pão para atrair pequenos peixes e então preparava o bote (isso quando as tartarugas esfomeadas não apareciam para comer o pão).

Parque Vaca BravaPássaro alimentando-seBorboleta no parque Vaca BravaMartim pescador na pescariaMartim pescador observandoMartim pescador após bote certeiro

O Museu Goiano é muito interessante e conta bastante sobre o estado, reunindo um acervo que conta diversos aspectos da história e da cultura do estado.

Museu GoaianoEstado de GoiásFarricocoDescrição dos FarricocosÍndioCongadasObjetos antigos

A cidade também é famosa pela vida noturna, que nessa minha primeira visita não pude apreciar.

A primeira impressão sobre foi exacerbadamente acima do esperado, o que me faz querer voltar!

Aracaju, cajueiro dos papagaios

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Aracaju é a segunda capital planejada do país, atrás apenas de Teresina no Piauí e terra natal de algumas personalidades, principalmente do período da República Velha, dentre eles os Marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. O nome da cidade tem origem indígena cujo significado é o epiteto utilizado no título deste artigo (ará = papagaio e acayú = fruto do cajueiro).

A chegada a cidade foi um pouco conturbada, pois não tinha onde ficar hospedado e tive dificuldades para encontrar algo a um preço razoável. A salvação foi a pousada Bom Preço, que era razoável e estava próxima do aeroporto e pouco distante da orla da Praia de Atalaia, a principal da cidade.

Calçadão da Praia de Atalaia

A Praia de Atalaia margeia um dos bairros mais nobres de Sergipe e tem diversos atrativos além dos naturais, dentre eles muitas quadras poliesportivas, esculturas para celebrar personalidades do estado, centro de artesanato, kartódromo, brinquedos para crianças e uma unidade do Projeto Tamar.

Monumento aos Formadores de NacionalidadeMundo Maravilhoso da CriançaTartaruga no Ocenário (Projeto Tamar)Cavalo marinho no Ocenário (Projeto Tamar)

O centro histórico tem a diversos aparatos históricos em torno da Praça Fausto Cardoso às margens do Rio Sergipe, dentre eles a Ponte do Imperador (construída para o desembarque de Dom Pedro II em sua visita no ano de 1860), o Palácio do Governo, a assembléia legislativa e numa praça ao lado a Catedral de Aracaju.

Entrada da Ponte do ImperadorCoreto na PraçaCatedral de Aracaju

Outro lugar interessante de se visitar é o mercado municipal, que é enorme e tem uma variedade muito grande de produtos: frutas, flores e artesanatos. O local requer uma boa restauração, pois está bem descuidado.

Mercado Municipal de Aracaju

Algo interessante que vi nos ônibus de Aracaju é o leitor de digitais para quem tem alguma gratuidade ou desconto nas passagens, reduzindo a possibilidade de fraude. Outra vantagem do transporte metropolitano da cidade é a integração de linhas em terminais, sem o pagamento da salgada tarifa para o tamanho da cidade, que era de R$ 2,10.

A passagem por Aracaju foi muito rápida e não pude ver tudo que a cidade oferece, espero voltar e complementar ou fazer um novo artigo com mais informações.