Praia Grande, nem praia nem grande

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Praia Grande é um município limítrofe que pertence ao estado de Santa Catarina e faz divisa com as cidades sul riograndense de Mampituba (antiga Rua Nova) e Cambará do Sul.

Chegada a Praia Grande

Praia Grande está cercada pelos cânions do Parque Nacional Aparados da Serra, onde foi gravada a minissérie “global” “A casa das sete mulheres” e que possui diversos cânions, dentre os quais o mais famoso é o Cânion do Itaimbezinho (do Tupi-Guarani, “ita” = pedra e “Ai’be” = afiada), este nome é fiel à característica das pedras do local, que são como lâminas, sendo que minha mãe foi vítima de uma delas após um passo em falso em um outro cânion adjacente. A parte inferior dos Cânions pertence à Santa Catarina e a superior ao Rio Grande do Sul (Cambará do Sul).

Vista aérea do Cânion do ItambezinhoCachoeira Cânion do Itaimbezinho IPlaca Parque Nacional Aparados da SerraTempo nublado no Cânion do Itambezinho

A trilha do rio do Boi é a que segue entre as imensas paredes do cânion do Itaimbezinho, onde é possível observar a natureza em todo seu esplendor, onde todos ficam boquiabertos ante as colossais paredes de 700 metros de altura que ladeiam o rio. Cachoeiras impressionantes despencam e moldam a paisagem a milhões de anos.

A trilha é pesada, leva mais de 6 horas de caminhada com breves paradas para banhos e observações e exige cerca de 30 travessias pelo leito pedregoso do rio, sendo que as últimas já são com água acima da cintura. O inacreditável de tudo foi chegar ao final de trilha poucos segundos antes de o tempo fechar e começar uma chuva que nos acompanhou durante toda a volta.

Cachoeira Cânion do Itaimbezinho IIICachoeira Cânion do Itaimbezinho IVCachoeira Cânion do Itaimbezinho VCânion do ItaimbezinhoMorro na trilha do Rio do Boi

Há passeios por outros cânions da região, o segundo mais famoso é o cânion Fortaleza, que é o maior de todos, e que é imprevisível em relação à visibilidade, além de ser de mais difícil acesso pelas precárias estradas de terra da região.

O passeio da Pedra Branca também é interessante pois oferece uma vista de toda a planície abaixo dos cânions.

Ponte para Pedra Branca Praia GrandeEu na Pedra Branca Praia GrandeAranha na Pedra Branca Praia Grande

A cidade não tem muitos atrativos dos naturais, mas a igreja de lá chamou-me a atenção, pois tinha muitas plantas e uma decoração singela e muito aconchegante, diferente da ostentação áurea descabida de outras mais famosas.

Fachada da Igreja de Praia GrandeIgreja de Praia Grande

A viagem teve direito a Cover de Roberto Carlos num dos ônibus que tomei e a espera pela virada de ano em volta da fogueira com o pessoal do Albergue da Juventude Nativos do Cânion, da família Rosa, que fazem seus hóspedes sentirem-se seus amigos.

Albergue da Juventude Nativos do CânionFogueira de ano novo

Os amantes da natureza tem que visitar este lugar, sem sombra de dúvidas! e digo mais, é um dos lugares mais belos que já vi em minha vida!!!

Anúncios

La Plata, a cidade das diagonais

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

La Plata é uma ótima cidade a pouco mais de 50 quilômetros da capital argentina e uma das cidades planejadas mais interessantes que conheci.

A cidade é formada por um enorme quadrado com dezenas de ruas numeradas, sendo as pares perpendiculares às ruas impares e cortadas por algumas diagonais diagonais que deram o apelido à cidade.

La Plata, a cidade das diagonais

O eixo principal da cidade conta com as principais edificações da cidade, como a prefeitura, a catedral, museus, parques, as principais praças.

Estive por lá durante a invasão de Rosario à La Plata, um evento do Couch Surfing que teve a presença de mais de 50 pessoas e que foi um dos períodos mais felizes que já tive em minhas viagens.

No primeiro dia visitamos a República das Crianças (República de los Niños), uma parque muito interessante, que tem toda a estrutura de uma cidade de verdade, na qual os atores fazem apresentações.

Estátua Republica de los NiñosRepublica de los NiñosRepublica de los NiñosAtor Republica de los Niños

Para o segundo dia os organizadores montaram uma gincana fotográfica, para que houvesse uma maior integração entre os participantes e, também, para que conhecêssemos melhor a cidade.

A gincana começou no Museu de La Plata, um museu fantástico de Ciências Naturais, com diversos esqueletos e animais de diversas eras geológicas, mas que também inclui ciências humanas como a Arqueologia, a Antropologia, a Etnografía, etc.

Esqueleto de crianças Museu de La PlataMúmia Museu de La PlataBaleia Museu de La PlataTotem Museu de La PlataPássaro Museu de La Plata
Polvo Museu de La PlataEsqueletos Museu de La PlataMuseu de La PlataMandala Museu de La Plata

Em seguida passamos pelo Museu Municipal de Belas Artes, pelo Clube Gimnasia y Sgrima que possui um time de futebol e o Museo de Arte e Memória.

Finalizamos a gincana na Praça Moreno, uma praça lindíssima, com um jardim muito bem cuidado, brinquedos para crianças, a enorme e belíssima Catedral da Imaculada Conceição em estilo gótico de um lado e a prefeitura do outro.

Prefeitura de La PlataCatedral da Imaculada Conceição La PlataPorta da Catedral da Imaculada Conceição La Plata

Eu e meu parceiro Augusto, de La Plata, vencemos a gincana e ganhamos os prêmios!

As pessoas que lá conheci foram as que melhor recepcionaram-me até hoje, o que acabou com qualquer preconceito que eu pudesse ter com os argentinos.

¡Los echo de menos mis amigos!

Cuzco, pura engenharia e mística (Parte I)

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Cuzco ou Qosqo, a capital do antigo império Inca e uma cidade que está em qualquer lista de lugares para se conhecer antes de morrer em todo o mundo, sendo por este motivo um centro de verdadeiras peregrinações.

Os traços da cultura Inca são onipresentes na cidade, no idioma Quechua falado até hoje por seus moradores e nos templos e construções que circundam a cidade.

Hino de Cuzco

Esta primeira parte é sobre edificações Incas que existem próximo a cidade e as seguintes contarão sobre os templos, a invasão e influência espanhola, a trilha Salkantay rumo à Machu Picchu e o Inti Raymi.

Um dos dias de minha aventura foi a visita a Maras e Moray, que fiz em bicicleta levada em cima de um ônibus, partindo de Cuzco em um ônibus até pouco além da vila de Chinchero (em torno de 40km), onde começou a trilha de bicicleta, junto a um guia local que conheci no ônibus e que estava de passeio naquele dia.

Início de passeio para Maras e Moray

O primeiro ponto a ser visitado foi a edificação de Moray, uma impressionante construção em meio às montanhas que era usada como local para experimentos agrícolas. A estrutura três conjuntos com diversos andares circuncêntricos, sendo que a temperatura aumenta aproximadamente um grau a medida que descemos um andar. Um dos conjuntos é protegido do vendo entre as montanhas, o segundo é totalmente exposto às intempéries da natureza e um terceiro que simula um ambiente intermediário. Essa obra ainda conta com um complexo sistema de irrigação e é palco da festa do Moray Raymi, celebrada em setembro, com homenagem ao deus Sol com danças e trajes típicos.

Irrigação em MorayChegada a MorayMorayMoray em detalhe

O segundo local foi a fabulosa salineira de Maras, que conta com centenas de piscinas nas quais a água de uma fonte, levada por uma complexa rede de canaletas morro abaixo, é represada para a obtenção de sal por meio da evaporação. A salineira outrora provia sal para todo o império Inca.

Vista aérea das Salineiras de MarasEu em Salineiras de MarasTrabalhador em Salineiras de MarasTrabalhadora em Salineiras de Maras

Todo este percurso de bicicleta levou mais de cinco horas de pedaladas por quase 40 quilômetros, o que foi muito desgastante, pois estávamos a uma altitude média de 3.500 metros e com clima seco.

Essa história continua e a vontade de conhecer esta cidade só tende a aumentar para quem acompanhar..

Punta del Diablo, um lugar divino

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Punta del Diablo em sua origem era um vilarejo de pescadores na costa nordeste do Uruguai, aproximadamente 48 quilômetros afastado da fronteira com o Brasil e 298 quilômetros de distância de Montevidéu.

Punta del Diablo

Um lugar pacato, com belas praias e casas com um charme especial, o que o torna destino certo de veraneio para uruguaios e estrangeiros.

Praia Punta del Diablo 2Pássaro Punta del DiabloPescaderia Punta del DiabloPraia Punta del Diablo

As praias contam com Cambiadores (trocadores de roupa) em toda sua extensão e também com muito vento durante todo o dia e ainda mais durante a noite.

Cambiador

O que mais impressionou-me foi a empolgante segurança que existe por lá, visto que enquanto eu esperava o ônibus para minha partida rumo a Chuy (na divisa com Chuí, no Rio Grande do Sul) chegou um senhor cinquentenário em sua bicicleta e a estacionou próximo a uma grande e a deixou lá, sem qualquer corrente, porque também iria a Chuy, bateu a famosa ‘inveja branca’, por desejar que isso ocorresse em algures em nosso país.

O albergue e bar El Diablo Tranquilo é uma ótima opção de hospedagem e de diversão paras as noites ‘diabólicas’.

Hostel El Diablo TranquiloA Ruína do HomemPraia do Hostel El Diablo Tranquilo

Próximo a Punta del Diablo há ainda outros atrativos interessantes que não tive a oportunidade de visitar, mas sobre os quais ouvi ótimas recomendações e são eles o Parque e a Fortaleza de Santa Teresa e também a Laguna Negra, na qual é possível observar flamingos durante todo o ano.

Fortaleza de Santa Teresa

Esse aperitivo do litoral uruguaio do departamento (similar a um estado) de Rocha, deixou-me ainda mais curioso por conhecer outros pontos como o Cabo Polonio, La Paloma, La Pedrera, dentro tantos outros.

Cliffs of Moher, Maravilha da natureza na Irlanda

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Cliffs (ou Falésias) of Moher, um dos lugares mais espetaculares que eu pude conhecer desde que cheguei à Dublin, é uma das maiores belezas que a Irlanda possui.

No caminho, antes da chegada, a paisagem não deixa a desejar, mostrando que o passeio promete. Antes de chegar no lugar desejado, passamos por um local próximo ao vilarejo de Kinvarra, onde encontramos o Dunguaire Castle (Castelo de Dunguaire) com sua construção pertencente ao século XVI.

Castelo Dunguaire

Uma região com parques, baias e castelos surpreendentes, os Cliffs of Moher, ficam a 320 km de Dublin, no condado* de Clare.

Cliffs de Moher 1

É um penhasco maravilhoso com uma extensão de 8 quilômetros, onde é possível ver as marcas feitas pelas águas em toda a encosta. Essas marcas datam mais de 300 milhões de anos (as mais antigas). Vale muito a pena visitar esse local, um dos finalistas as 7 maravilhas do mundo da natureza.

Cliffs de Moher 2

* Condado era a antiga jurisdição ou território de um conde. Atualmente condado é a designação habitualmente atribuída a uma divisão administrativa de estados modernos em países anglo-saxônicos.

Em breve faço um post de outros locais visitados aqui 😉

Fotos de Daniela Arenhardt

Abração

Carlos Rua

Maragogi, o primeiro mergulho

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

Maragogi possui um verdadeiro jardim submerso em suas piscinas naturais a meno de 100 metros das costa do litoral norte alagoano.

Apesar do título não foi tão mergulho assim, já que estava sempre na compania de um instrutor segurando o cilindro, mas ainda assim foi uma experiência inesquecível e registrada em fotos!

Chegando ao local o guia dá orientações gerais sobre as restrições que existem durante a visita e passam todos os aviso de segurança.

Lagosta e ouriço - Maragogi

O passeio leva às piscinas e lá é oferecido o adicional do mergulho (R$ 70,00), que é fotografado e gravado em CD. O custo do passeio varia dependendo da origem (há partidas de Maceió e Porto de Galinhas por exemplo) e fica em torno de R$ 60,00, contando o café da manhã, pois é preciso chegar cedo ao local para aproveitar a maré baixa.

Peixe pequeno Maragogi

Quem não tem muito dinheiro para fazer tudo isso pode levar a máscara de snorkeling (para ficar observando dentro d’água enquanto flutua ou alugá-la no local (R$ 15,00), podendo compartilhar o uso com outra pessoa.

Peixe grande Maragogi

É possível observar diversas espécies, sentir como é bom o silêncio submarino e como tudo parece ter mais harmonia dentro d’água.

Uma dica para os bigodudos é apará-lo antes mergulhar para que a máscara utilizada no mergulho possa aderir à pele, pois tive muitos problemas por conta disso!!

A cidade não tem grandes atrativos além de suas maravilhosas piscinas naturais e a beleza de suas praias.

João Pessoa, a cidade mais oriental das Américas

Traduzido por Roxana M. Q. Fernández

João Pessoa é uma das capitais brasileiras mais tranquilas e civilizadas das dezesseis que conheci até agora, as pessoas são simpáticas, as ruas são limpas, o trânsito não é caótico e os motoristas respeitam os pedestres (fato já citado no artigo sobre Cidadania).

Brasil Paraíba

A cidade possui belíssimas praias e uma delas é o lugar mais oriental do continente americano, a Ponta de Seixas. Ali também se encontra um farol e um ateliê do escultor Zaia, que confecciona bustos em argila em 20 minutos para serem levados pelos visitantes.
Farol do Cabo Branco - João PessoaPonta de Seixas - João PessoaO pensador nordestino - João Pessoa

Adjacente ao Farol de Cabo Branco há algo pitoresco e bem convidativo, redes para descanso gratuito! Elas são parte da ‘estratégia de marketing’ de uma banca de lanches para atrair os clientes.

Redes no Cabo Branco - João Pessoa

Atrás do Farol também é possível encontrar uma das obras de Oscar Niemeyer, de quem sou fã, que é a Estação Ciência, um espaço muito agradável com um jardim com obras com as quais os visitantes podem interagir em visitas guiadas.

Estação Ciência - João PessoaJardim da Estação Ciência - João PessoaAuditório da Estação Ciência - João Pessoa

O centro histórico é bonito, mas pouco estruturado para o turista que não vai em grupos de agências, pois estas possuem privilégios no acesso a igrejas e edifícios históricos.

Há ainda a possibilidade de ver o por do Sol ao som de Bolero de Ravel tocado pelo saxofonista Jurandy do Sax, que toca esta música todos os dias há anos às para os visitantes da Praia Fluvial do Jacaré, conhecida como Praia do Pôr do Sol, situada no município de Cabedelo conurbado à cidade de João Pessoa. Há outros artistas que apresentam-se nos bares à beira do rio Paraíba, dentre elas uma bela violinista. Outro ponto turístico de Cabedelo é o Forte de Santa Catarina de Cabedelo.

Jurandy do Sax - CabedeloPôr do Sol ao som de Bolero de Ravel - CabedeloPôr do Sol - Cabedelo
Violinista - Cabedelo

Segue uma pequena curiosidade a cerca de fortes e fortalezas: a palavra fortaleza designa um conjunto de construções que visam a defesa e guarda de uma área. Um exemplo é a Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande, que reúne os fortes Duque de Caxias, Rêgo Barros e Jurubatuba; já um forte consiste em apenas uma unidade. (fonte: Jornal Eletrônico Novo Milênio)

Outro passeio que vale a pena ser feito é para o litoral sul paraibano, com paisagens deslumbrantes como falésias e praias, dentre elas a praia de Tambaba, que possui uma área restrita ao naturismo.

Falésia - Conde

O litoral paraibano tem um potencial turístico muito pouco explorado, tanto em relação à história de seu povo, quanto em relação às dádivas naturais da região!